sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

AS RAPARIGAS #3


Este foi um presente de natal, e confesso que no início, não me prestou grande atenção, pensei que era só mais um romance como muitos outros que andam por aí, mas assim que pus um instastories percebi que era um romance que toda a gente andava a falar e que queria ler, incluindo a Melfe, e se ela o quer ler é porque é um bom livro, ou aparenta ser! No que toca a livros ela sabe e digo-vos já recorri ao blog dela para saber se vale a pena ou não ler, disso percebe ela, acreditem! Mas bem, vamos ao que interessa e ao que vos trouxe aqui! 



SINOPSE

" Califórnia. Verão de 1969. Evie, uma adolescente insegura e solitária, avista um grupo de raparigas no parque e fica fascinada com a aura de abandono que as envolve: vestem-se de forma descuidada, andam descalças e parecem levar uma existência feliz à margem das convenções. "

Romances de estreia como este são raros [...]. A capacidade de Emma Cline em articular as ansiedades da adolescência, numa linguagem poética que não deturpa a autenticidade da consciência de uma adolescente, é sem dúvida o maior mérito deste romance. 
The Wahington Post




Julgo que seja a primeira vez que um livro me deixou assim, tão confusa a cerca da opinião do mesmo, no início não me estava a prender e acreditem que ponderei deixá-lo de lado, era confuso, fazia referência ao presente e ao passado mas envolvi-me tanto na solidão de Evie, a personagem principal, que segui rumo ao livro. Toda a história é envolta dela, da sua solidão e principalmente da sua fragilidade! 

Evie sabe o que é certo e errado, no fundo sabe, quero acreditar que sim, mas o amor fala-lhe mais alto, o amor e a vontade de querer sentir-se desejada e então junta-se a uma seita. É aí, que se deixa impressionar pelo espírito livre de todo o grupo do rancho, principalmente por Suzanne, a sua paixão. É lá também que deixa de se importar em ter relações sexuais com quem fosse, onde fosse, juntamente com drogas pesadas, com apenas 14 anos. A verdade é que hoje com esta idade, na vida real, também já acontece tudo, não só em livros, acreditem!

Se me perguntarem se voltava a ler este livro, talvez respondesse que não, gostei sim, mas chega a uma altura que parece tudo demasiado fictício que perdemos o interesse. Mas sem dúvida que vale a pena ler, nem que seja para percebermos que se não estivermos bem connosco próprios acabamos por entrar numa espiral tão negra e tão negativa que marca o resto da nossa vida! Fui uma das grandes lições que retirei do mesmo.

Já alguém o leu? Estou curiosa em saber se concordam!

ANDA DAÍ,
BEIJOCAS!

16 comentários:

  1. Não conhecia!
    O meu blog tem tudo de novo, visita-me e volta a seguir-me para estares a par das novidades :) http://kika--maria.blogspot.pt/
    Espero lá por ti :D
    Beijinhos,
    Kika Maria*

    ResponderEliminar
  2. Era para ter comprado esse livro também pela altura do natal mas não o fiz, agora que li a tua opinião talvez o compre.
    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não perdes nada em ler! E para quem gosta deste tipo de livros, acho que vai gostar :p

      Beijocas,

      Eliminar
  3. Não conhecia o livro! Por acaso nunca o vi ahahah mas acho que vou procurar!

    Beijinhos
    That Girl

    ResponderEliminar
  4. Não lia ainda, mas fiquei com curiosidade!

    Beijinhos! Where I Belong

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vale a pena, nem que seja só pela experiência :p

      Beijocas,

      Eliminar
  5. Parece-me um livro muito interessante querida, mas é como dizes, estes livros têm tendência para se tornar muito fictícios às vezes!
    THE PINK ELEPHANT SHOE // INSTAGRAM //

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bastante! De todos os que li deste género o meu preferido, sem sombra de dúvidas foi "Os filhos da droga"! Adorei :p

      Beijocas,

      Eliminar
  6. Nunca tinha ouvido falar do livro! Mas pelo que disses-te é algo forte e chocante (tão novinha). Mas essa lição que tu própria tiras-te é muito importante na vida. Devemos estar bem connosco e gostar de nós mesmos! Afinal "se eu não gostar de mim, quem gostará?" Beijinhos!
    http://bolacha-mariaa.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tal e qual! A dita frase do iogurte faz mais sentido do que nunca!
      Muito Obrigada *

      Beijocas,

      Eliminar

Seguidores

Instagram

Design, coding and theme by Ana Garcês.
Copyright © 2016